INTRANET  |   WEBMAIL (Zimbra / Google)  |  

Histórico

Introdução

A USP começou a fazer seu planejamento estratégico. Em 2008 foi realizado o workshop “Planejando o Futuro: USP 2034”. Serão 100 anos de pleno exercício da soberania acadêmica dedicada ao lema “Educação para o Brasil”. Em tempos modernos esse lema precisa ser repensado constantemente para que inovações sejam implementadas a priori. A sustentação dar-se-á por integração multifacetada das diferentes ciências que constituem as bases sólidas do nosso conhecimento. Se a meta a atingir estiver configurada para que em 2034 a Universidade esteja classificada entre as 50 melhores do planeta, ações conjuntas reguladoras da pluridisciplinaridade precisam ser estabelecidas hoje.

A USP precisa ir além da manutenção dos padrões ubíquos para avançar no paradigma da universalização do conhecimento. Para ampliar seus horizontes é necessário que a característica pluriversa da universidade seja prontamente reconhecida sem que a característica universa seja ladeada. Portanto, ações pontuais que apontem para a construção do todo – extrapolado da visão cartesiana, reducionista, para uma visão holística que ampare as diferentes vertentes do pensamento humano serão impostas hoje.

Em 2009 a USP comemora seus 75 anos de fundação. Esse jubileu de diamante marca peremptoriamente a natureza evolutiva do pensamento pluridimensional e insta-nos a desafiar os limites do conhecimento com ações transdisciplinares.

O conhecimento pela educação conduz ao resultado almejado quando postulado e realizado de forma constante e continuada. A construção de um pensamento global que contemple a transformação da informação em conhecimento tem como desafio fundamental a inclusão de todos os talentos que a universidade puder reunir. Esta estratégia de trabalho ajustar-se-á grandemente ao desafio imposto pela sociedade moderna que identificará em suas ações o desejo claro de imprimir dinamismo pragmático voltado ao entendimento e explicação do método.

A ciência química está diuturnamente amparada pela nossa capacidade de enfatizar os desafios que os químicos têm em ir além de suas fronteiras moleculares. Somos constantemente desafiados a desenvolver métodos sintéticos altamente seletivos, eficientes energeticamente e ambientalmente favoráveis. Fontes sustentáveis de energia, entendimento de como as moléculas são transformadas e a ruptura das fronteiras da nanociência juntamente com o desafio de entender como as complexas interações entre componentes celulares reguladas por pequenas moléculas também são, dentre tantas outras, outros dos nossos desafios.

A co-existência do múltiplo reconhecida através da integração de diferentes tecnologias inclui a necessidade de pensar em uma proposta que colime as diferentes especialidades da ciência química com aquelas que estão na interface de seu limite.

Nesse contexto, o Instituto de Química de São Carlos com o apoio do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos sinaliza sua vertente holística construtora das bases que sustentarão 2034 através da realização de um ciclo de conferências, seminários e palestras que é denominado “QUÍMICA ÀS 16”.

O “Química às 16” tem como objetivo precípuo a congregação de pesquisadores em ciências químicas e da vida com amparo humanístico para discutir os problemas e as oportunidades que permeiam as fronteiras do conhecimento para facilitar a conversão dos desafios em oportunidades.

A ação localizada não está restrita aos seus limites institucionais. Se estiver, não contribuirá para a pluridisciplinaridade. Essa ação tem que estar amparada no desejo universo e pluriverso de nortear o caminho a seguir.

A inauguração do Química às 16 não poderia acontecer de forma mais significativa e exemplar. Do workshop planejando o futuro: USP 2034 para o IQSC 2009 com vistas ao centenário da USP, a conferência de abertura foi proferida pelo Professor Sérgio Mascarenhas, Coordenador do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos. Em sua conferência, intitulada “Proposta de um Centro Internacional de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação para o Brasil – CICTIE”, alinhada ao contexto delineado, o Professor Sérgio Mascarenhas instou-nos à gestão informatizada que acolha a proposta da terceira cultura de C. P. Snow.

Todos estão convidados: Professores, Pesquisadores, Funcionários, Alunos de Pós-graduação e de Graduação. Esta é uma oportunidade única e útil de ajudar a desenhar uma rede intrincada de nós necessária para sustentar a almejada internacionalização e dar-nos amparo técnico, científico e humano para vencer os desafios que se nos impõem a sociedade moderna que pensa no futuro.

Contextualização

O “Química às 16” é um ciclo de seminários do Instituto de Química de São Carlos que tem apoio do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos. Foi inicialmente coordenado pelos Profs. Drs. Carlos Montanari e Hamilton Varela, ambos do IQSC/USP e atualmente está sob a tutoria dos Profs. Roberto Berlinck e Andrei Leitão.

O “Química às 16” tem como objetivo apresentar palestras na fronteira das ciências mas que também incluam tópicos especiais em políticas científicas para nortear os rumos da ciência como um todo. O que fazemos e o que queremos fazer para que o Brasil avance na condução inequívoca da ciência como bem necessário para o engrandecimento do país e, principalmente, do bem estar da sociedade constituem nossos desejos.

O Instituto de Química de São Carlos é um dos mais produtivos institutos da USP e vem mantendo elevado grau de aceitação de suas pesquisas em diferentes fóruns nacionais e internacionais. Atualmente, o IQSC vem-se dedicando intensamente à sua internacionalização com trocas de experiências (incluindo funcionários, pesquisadores e alunos) com outras instituições no mundo.

O “Química às 16” foi implementado no primeiro semestre de 2009 e já contou com os seguintes palestrantes: Prof. Sergio Mascarenhas (IEA São Carlos), Prof. Glaucius Oliva (IFSC), Prof. Sérgio de Albuquerque (FFRP/USP), Prof. João Fernando Gomes de Oliveira (IPT), Wanderlei Bagnato (IFSC), Rene Nome (UNICAMP) e Prof. Dr. Carlos Henrique de Brito Cruz (Diretor Científico da FAPESP). Além disso, o “Química às 16” já realizou seu primeiro simpósio “Passado, Presente e Futuro da Pesquisa” no Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo, para aproveitar a ocasião da aposentadoria de pesquisadores seniores do IQSC e refletir sobre a ciência desenvolvida no Instituto.

A idéia foi fazer uma conexão entre as gerações, ilustrando a continuidade das pesquisas de excelência que construíram o IQSC. Os palestrantes foram: Prof. Dr. Luis Alberto Avaca, Prof. Dr. Sérgio Antonio Spinola Machado, Prof. Dr. Miguel Guillermo Neumann, Prof. Dr. Marcelo Henrique Gehlen, Prof. Dr. Ernesto R. Gonzalez, Prof. Dr. Hamilton Varela, Prof. Dr. Milan Trsic, Prof. Dr. Albérico Borges Ferreira da Silva.

A participação da comunidade tem sido considerada excelente, com um público médio de 60 pessoas dos mais diferentes níveis de formação (desde alunos de iniciação científica até pesquisadores renomados na comunidade nacional e internacional).

Como estamos discutindo os nossos desafios para o futuro (incluindo o futuro próximo), seria extremamente conveniente a expansão do “Química às 16” para se expor publicamente através deste portal.

Participe. Dê sugestões. Contribua. Inove. Venha para o Química às 16!